Críticas

Sem eira, nem beira

Nascido em Salvador, o artista Mano Penalva vive e trabalha em São Paulo. Tendo a cultura material como um de seus principais interesses de experimentação, Penalva propõe a subversão do valor de objetos do cotidiano, sobretudo aqueles ligados a ambientes domésticos, explorando o potencial poético que pode ser obtido a partir de seus deslocamentos.

A intimidade é um dos pontos de Tribeira (2019), trabalho em que o artista se apropria de um biombo – objeto de decoração interna ou de uso prático, que produz paredes falsas para fins de privacidade. O título do trabalho faz referência à arquitetura do período colonial. Enquanto as casas de famílias mais abastadas eram cobertas por três camadas de telha – eira, beira e tribeira –, as casas mais pobres recebiam apenas um acabamento: a tribeira (daí surge o ditado “sem eira, nem beira”). Tribeira conjuga um biombo com ornamentos delicados, em estilo rococó, com cacos de vidro que contornam suas laterais. A elegância e a graciosidade do rococó – estilo decorativo proveniente dos palácios franceses e adotado principalmente pelas igrejas no Brasil colonial – contrasta com a agressividade dos vidros pontiagudos, comumente utilizados como gambiarra em muros de moradias populares, não como elementos decorativos, mas com a função de impedir invasões e delimitar limites entre público e privado. Ao agregá-los ao biombo, o artista aproxima e contrasta distintas faces da proteção, da privacidade e da ordenação dos corpos, evidenciando diferenças de classe e refluxos do passado.

Mais do que rearranjos visuais, o trabalho de Mano Penalva desperta novos sentidos e funcionalidades em objetos do cotidiano. A aproximação de materiais de diferentes origens e utilidades direciona nosso olhar para detalhes que não são percebidos nos objetos isoladamente e, ainda, aponta para além deles, para aquilo que faz parte do amplo horizonte das culturas onde estão inseridos.

Mano Penalva, Tribeira, 2019.
Mano Penalva, Tribeira, 2019. Na exposição “Casa Carioca”, no Museu de Arte do Rio.

Tribeira integra a exposição Casa Carioca, no Museu de Arte do Rio. Confira aqui o texto sobre a exposição.

[Este é um trecho do texto publicado originalmente na revista Dasartes, nº 89, em outubro de 2019. Confira aqui o texto completo]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s